O que faz a engenharia diagnóstica?


Conheça as novidades nesta área apresentadas pela engenheira Stella Marys durante o 1º Fórum da Mulher na Impermeabilização, promovido pelo IBI Brasil!

Engenharia diagnóstica

Em março, o IBI Brasil realizou o 1º Fórum da Mulher na Impermeabilização, destacando a importância da presença feminina no setor da construção civil. A engenheira Stella Marys falou sobre o tema “Novidades na Engenharia Diagnóstica”, apresentando novos conceitos desta área tão importante para qualidade e durabilidade das edificações. Caso estes conceitos fossem aplicados em estruturas com problemas, como as barragens e pontes, muitos desastres poderiam ser evitados.

Estabelecendo uma comparação com a medicina, a engenharia diagnóstica cuida dos edifícios assim como o médico do ser humano. Portanto, investiga possíveis complicações e soluções para manifestações patológicas das edificações. Enquanto o conceito tradicional da engenharia diagnóstica a define como “a arte de criar ações proativas, por meio dos diagnósticos, prognósticos e prescrições técnicas, visando a qualidade total”, as novas especificações trazem a qualificação de “disciplina das investigações técnicas (tetra In) para determinar os diagnósticos de manifestações patológicas e níveis de desempenho das construções, visando aprimorar a Qualidade ou apurar Responsabilidades”.

A primeira parte no novo conceito envolve as diferentes investigações técnicas, que são: vistoria, inspeção, auditoria, perícia e consultoria. A vistoria é a mais utilizada e a mais simples, focada na observação e constatação de problemas. A inspeção já é um termo mais profundo, sendo uma análise mais detalhada de riscos e qualidade. A auditoria é a comparação técnica com normas, livros, manuais, padrões técnicos, especificações nos projetos, entre outros. A perícia é ainda mais profunda, buscando a origem e causa do problema e seu mecanismo de ação; também é a mais completa entre as demais. Respectivamente, no “tetra In”, esses termos significam Iniciação, Intuição, Inter-relação e Inferência. Por fim, a consultoria oferece a solução e a prescrição de reparo da patologia.

Através dos diferentes tipos de investigações técnicas, é possível determinar os diagnósticos de manifestações patológicas, como anomalias construtivas, falhas de manutenção e irregularidades de uso. Alguns exemplos citados pela engenheira foram rachaduras, surgimento de vegetação em áreas inapropriadas, manchas de mofo e bolor, bem como a corrosão de armaduras. Além disso, também é possível indicar os níveis de desempenho determinados pela NBR 15.575 da ABNT, que podem ser mínimo, intermediário ou superior.

Irregularidades - vegetação
Irregularidades - rachadura
Irregularidades - manchas
Irregularidades - corrosão

Outras finalidades da engenharia diagnóstica são o aprimoramento da qualidade e a apuração de responsabilidades (inclusive no âmbito judicial). Por essa razão, ela é essencial em todas as fases de desenvolvimento de uma construção. Para isso, conta com um percurso diagnóstico, que especifica as etapas onde deve estar presente. Em sua palestra, Stella Marys mostrou as modificações do percurso, a começar como “PPEU” na edição de 2005 da obra “Engenharia Diagnóstica de Edificações”, de Tito Lívio Ferreira Gomide, Marco Antonio Gullo e Jeronimo Cabral, seguido de “PPEEU” na edição de 2015 da mesma obra, e do atual “PPEEURD”, que remete às fases de planejamento, projeto, execução, entrega da obra, uso, reabilitação e desconstrução, na obra de 2018 “Manual de Engenharia Diagnóstica”, escrita pela própria profissional, juntamente com Tito Lívio.

Veja mais notícias aqui: https://ibibrasil.org.br/noticias/